Notícias

Postado em 08 de Novembro de 2013 às 17h25

Época de semeadura x Condições climáticas x Dormência

Sementes (5)

Armando Correa Pacheco, Eng. Agr. MSc. Fitopatologia, ADV Consultoria Agronômica Ltda.
A época de semeadura das culturas é estabelecida através de pesquisa, em função de muitas variáveis que levam em consideração condições ambientais como altitude, precipitação pluviométrica, temperatura e a espécie vegetal em questão, em especial a cultivar ou variedade. As épocas de semeaduras para as diferentes culturas correspondem a otimização dos períodos em que uma determinada espécie pode encontrar as melhores condições para obter seu potencial produtivo em todas as fases de seu desenvolvimento. O homem, através de tecnologias que são capazes de propiciar condições específicas requeridas por determinada espécie vegetal, pode alterar as épocas de sua produção, especialmente em pequenos cultivos e abrigados, como ocorre na produção de hortaliças produzidas ao abrigo de “estufas”. Entretanto quando se trata de grandes culturas, é mais difícil, ficando restrito muitas vezes ao surgimento de cultivares com ciclos diferenciados. Sempre que o homem tenta antecipar ou protelar a semeadura de uma cultivar, em relação a sua melhor época, fica sujeito ao risco de perdas. Um dos exemplos bem conhecidos dos produtores é a antecipação da semeadura de milho, visando sua colheita para uma época em que há escassez desse produto. Essa necessidade leva os produtores a semear o milho em uma época em que o solo ainda está muito frio para a espécie, o que causa atraso na germinação. Essa demora na emergência das plântulas, favorece o ataque das sementes por pragas e fungos do solo, produzindo uma redução na população de plantas com conseqüente redução de produtividade, isto quando a perda não é total e neste caso, há a necessidade de ressemeadura da área. Por outro lado, espécies de inverno como trigo, triticale, aveia, azevém, centeio, ervilhaca e nabo forrageiro, necessitam de determinadas horas de frio para “superar a dormência” e dar início o processo de germinação. Como exemplo citamos reclamações de produtores, ocorrido em alguns anos, quando anteciparam a semeadura da aveia, resultando em problemas de germinação e baixo estabelecimento de plantas. Na verdade, quando isto ocorre, é porque as condições climáticas não propiciaram as horas de frio necessárias para superação de dormência das sementes para favorecer a germinação. Quando se trabalha com sementes de origem idônea, problemas de germinação dificilmente são atribuídos à semente, porque pela legislação nacional sobre produção e comercialização, os padrões de campo e de laboratório existentes, asseguram essa qualidade. Como se viu, no processo de germinação tem espécies que não toleram o frio, como no caso do milho, e outras espécies que precisam de temperaturas baixas para “quebrar a dormência” das sementes e germinar como ocorre com as espécies de inverno.
O Laboratório, avalia a qualidade das sementes para fins de semeadura no campo, através de métodos de análise em condições controladas, em que são considerados as exigências de cada espécie conforme quadro a seguir.

ESPÉCIE DE SEMENTE
TRAT. P/SUPERAR
DORMÊNCIA
TEMP.(°C) PARA GERM.
AVALIAÇÂO EM DIAS
Arroz
Pré-secagem à temp. de 50°C durante 96h em estufa com circulação de ar
25
14
Milho
Não necessita
20 ou 25 ou 30
07
Trigo e Triticale
Pré-esfriamento à temp. de 5 a 10°C durante 5 dias.
15 ou 20
08
Aveia Branca e
Aveia Preta
Pré-esfriamento à temp. de 5 a 10°C durante  7 dias.
15 ou 20
 
 
10
Azevém
KNO3 e
Pré-esfriamento à temp. de 5°C durante  7 dias.
15 a 25 ou 20.
14
Centeio
Pré-esfriamento à temp. de 5 a 10°C durante 5 dias.
20 ou 15
07
Ervilhaca
Pré-esfriamento à temp. de
5 a 10°C durante 7 dias.
20
14
Nabo Forrageiro
Pré-esfriamento à temp. de
5 a 10°C durante 7 dias.
20
10

Veja também

Qualificação de Pessoal na Área de Sementes08/11/13 Informativo ABRATES , vol. 20, nº.3, 2010. Eng. Agr. Ph.D. Prof. Tecnologia de Sementes, (UFPEL-FAEM), Pelotas (RS). O Brasil pode ser considerado um pais que investe em qualificação de pessoal, inclusive no grande projeto financiado pelo BID, denominado de Ação Governamental para Implantação do Plano Nacional de Sementes (AGIPLAN), de 25 milhões de......
Benefícios da Sanidade na Qualidade das Sementes08/11/13 Informativo ABRATES, vol. 20, no 3, 2010, José da Cruz Machado, Eng. Agr. Dr. Prof. Fitopatologia-Sementes,Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG. O desempenho de qualquer atividade agrícola, seja no âmbito empresarial ou......

Voltar para Notícias