serviços oferecidos

CLIQUE PARA VER MAIS DETALHES:

1. Análise de Pureza

1. Análise de Pureza

O objetivo da análise de pureza é determinar a composição percentual e a identidade das diferentes espécies de sementes e do material inerte da amostra em exame e por inferência a do lote de sementes.
Os componentes avaliados na amostra são:
Semente pura: todas as sementes e/ou unidades de dispersão pertencentes à espécie em exame, declarada pelo requerente, incluindo todas as variedades botânicas e cultivares da espécie, ou a predominante na amostra.
Outras sementes: unidades de dispersão de qualquer outra espécie que não aquela da semente pura.
Material inerte: unidades de dispersão e todos os outros materiais e estruturas não definidas como semente pura ou outras sementes.

2. Determinação de Outras Sementes por Número

2. Determinação de Outras Sementes por Número

O objetivo desta análise é definir o número de sementes (inclusive bulbilhos e tubérculos) de outras espécies presentes na amostra em exame: cultivadas, silvestres e nocivas (proibidas e toleradas).
Semente cultivada: é aquela reconhecida como de interesse agrícola e cuja a presença junto às sementes da amostra é limitada, conforme normas e padrões estabelecidos.
Semente silvestre: é aquela reconhecida como de planta invasora e cuja a presença junto às sementes da amostra é limitada, conforme normas e padrões estabelecidos.
Semente nociva: semente de espécie que, por ser de difícil erradicação no campo ou de remoção no beneficiamento, é prejudicial à cultura ou a seu produto, sendo limitada conforme normas e padrões estabelecidos.
Semente nociva tolerada: semente de espécie cuja a presença junto às sementes da amostra é permitida dentro de limites máximos, conforme normas e padrões estabelecidos
Semente nociva proibida: semente de espécie cuja a presença não é permitida junto às sementes do lote, conforme normas e padrões estabelecidos.

3. Verificação de Outras Cultivares

3. Verificação de Outras Cultivares

Tem por finalidade definir o número de sementes de outras cultivares presentes em uma amostra de trabalho, de peso igual à da análise de pureza.
Deve ser realizada sempre que o padrão de qualidade da espécie incluir tolerância máxima para a presença de sementes de outra cultivares.

4. Teste de Germinação

4. Teste de Germinação

Tem por objetivo determinar o potencial máximo de germinação de um lote de sementes, o qual pode ser usado para comparar a qualidade de diferentes lotes e também estimar o valor para semeadura em campo. 
Germinação de sementes em teste de laboratório corresponde a emergência e desenvolvimento das estruturas essenciais do embrião - sistema radicular, parte aérea, gema terminal e cotilédone(s), permitindo a formação de uma plântula classificada como normal.
Uma plântula normal é aquela que mostra potencial para continuar o crescimento e desenvolvimento sob condições favoráveis de campo. 
A porcentagem de germinação de sementes corresponde à proporção do número de sementes que produziu plântulas normais.

5. Teste de Tetrazólio

5. Teste de Tetrazólio

É um teste bioquímico que tem por objetivo determinar a viabilidade e o vigor das sementes, informando a ocorrência de danos por secagem, por insetos e por umidade, bem como detectar danos mecânicos de colheita e/ou beneficiamento.
Vantagens:
Permite rápida avaliação da viabilidade e do vigor;
Foca atenção ás condições físicas e fisiológicas de embrião de cada semente individualizada;
Fornece diagnóstico da causa da queda da viabilidade das sementes.

6. Teste de Envelhecimento Acelerado

6. Teste de Envelhecimento Acelerado

É um teste de vigor com o objetivo de identificação de diferenças na qualidade fisiológica dos lotes, principalmente entre os que possuem poder germinativo semelhante. Permite distinguir, com segurança, lotes com maior ou menor probabilidade de apresentar bom desempenho após a semeadura e/ou durante o armazenamento.

7. Determinação do Grau de Umidade

7. Determinação do Grau de Umidade

Tem por objetivo determinar, por método de estufa, o grau de umidade das sementes, fator que afeta a qualidade fisiológica e sanitária de um lote de sementes.

8. Exame de Sementes Infestadas

8. Exame de Sementes Infestadas

O objetivo é determinar a percentagem de sementes de um lote, que se encontram danificadas por insetos (gorgulhos, traças, carunchos etc).

9. Peso de Mil Sementes

9. Peso de Mil Sementes

O peso de mil sementes é uma informação que dá ideia do tamanho das sementes, assim como de seu estado de maturidade e sanidade.
Pode ser utilizada para o calcular a da densidade de semeadura e o número de sementes por embalagem.

10. Teste a Frio sem Solo

10. Teste a Frio sem Solo

É um teste de vigor utilizado, principalmente, para sementes de milho com o objetivo de avaliar e detectar diferenças significativas na qualidade fisiológica de lotes com germinação semelhante.

11. Detecção de Organismo Geneticamente Modificado (OGM)

11. Detecção de Organismo Geneticamente Modificado (OGM)

Determinar a presença de organismos geneticamente modificados em amostras de cultivares convencionais (não transgênicas) de soja.

12. Determinação de Danos Mecânicos

12. Determinação de Danos Mecânicos

Tem por objetivo verificar a porcentagem de sementes de uma amostra, que apresentam danos resultantes do impacto físico durante as operações de colheita, beneficiamento e transporte de sementes.

Galeria de fotos